Governo do Distrito Federal
7/02/22 às 16h38 - Atualizado em 7/02/22 às 16h39

Gravidez Precoce e Desdobramentos Familiares.

Muitas famílias não estão preparadas para receber a notícia de uma gravidez precoce no seu meio de convívio e a informação quando chega pode desestabilizar toda a família, principalmente a protagonista da história, que se encontra em uma gestação e pode não ter um direcionamento, apoio, ou equilíbrio emocional para ser mãe, por isso é muito comum o desenvolvimento de depressão, antes,durante e depois da gestação, a falta de auto–estima e problemas afetivos entre a mãe, o bebê e a família.

 

Essas adolescentes podem desenvolver doenças que podem ser considerada de alto risco, especialmente para meninas com menos de 15 anos de idade, que ainda não estão totalmente prontas fisicamente para uma gestação, e por isso, há uma grande chance de parto prematuro, rompimento precoce da bolsa e aborto espontâneo.

 

A gravidez na adolescência acontece muitas das vezes por falta de cuidado, falta de conhecimento, falta de orientação, por estupro de vulnerável, que pode acontecer por pessoas próximas à família. Existem também aquelas jovens que engravidam por vontade própria, acreditando que ter um filho representa um projeto de vida ou refúgio de algum problema.

 

A gestação precoce acontece em qualquer classe social, mas é mais comum afetar as famílias de baixa renda, que não têm noção das consequências e do real custo de vida de uma criança. Devido a tanta responsabilidade prematura, a adolescente começa a fugir e abandonar os estudos, impactando diretamente no nível de escolaridade dela e comprometendo suas projeções e oportunidades futuras, dificultando o ingresso no mercado de trabalho.

 

As famílias muitas das vezes não sabem como lidar com essa situação e causam transtorno dentro do lar. Muitas das vezes a adolescente é expulsa de casa e o problema familiar aumenta, pois a situação acaba saindo do controle.

 

O objetivo de criar esta consciência é abraçar as famílias do Distrito Federal na idéia de lutar para diminuir a incidência da gestação precoce e reduzir os índices de infecções sexualmente transmissíveis, entre jovens e adolescentes.

 

A Secretaria Extraordinária da Família valoriza a importância da conscientização aos adolescentes sobre os riscos de doenças e a responsabilidade implicada nesses casos.